“O homem é a mais insana das espécies: adora um Deus invisível e mata uma natureza visível, sem saber que a natureza que ele mata é esse Deus que ele adora.”
(Hubert Reeves, astrofísico)

Hoje, queremos apresentar a você dois parceiros da TodaVida que, fazendo parte de iniciativas de reflorestamento e sustentabilidade, atuam na região do Mato Grosso (Centro-Oeste do Brasil) para promover o equilíbrio entre o homem e a natureza.

Conheça, então, estes dois jovens brasileiros, a quem carinhosamente atribuímos o apelido de Heróis da Floresta.

O primeiro deles é Fioravante José Montanher, 27 anos e Coordenador das Atividades da Agricultura do Município de Juruena, no estado do Mato Grosso. Fiori, como é conhecido por todos, nasceu no estado do Paraná (região Sul do país), na cidade Nova Londrina, e mudou-se com a família para Juruena no ano de 2004.

Meu Avô e meu pai sempre foram pessoas de atividades rurais e eu não podia ser diferente.”, conta Fiori, ao mencionar seu primeiro contato com as atividades do viveiro municipal em 2005, incentivado pela família.

Ele relata que, em junho de 2006, foi inaugurado um novo viveiro no município, com capacidade de um milhão de mudas anuais. No ano seguinte, depois de atingir a maioridade, Fiori assumiu a administração do viveiro. “Este foi um dia muito especial, porque tive a certeza que estava fazendo as coisas acontecerem!”, conta entusiasmado. Ao lembrar dessa época, Fiori conta: “As coisas foram acontecendo naturalmente e muito rápido”.

Em 2010, um projeto de reflorestamento firmou uma parceria com o setor público, para administrar o viveiro e, consequentemente, Fiori foi contratado pela iniciativa. Ele relata que sua experiência e conhecimentos foram enormemente enriquecidos através destes projetos socioambientais. “Porque eu via a mudança nas pessoas beneficiadas com as atividades desenvolvidas, através destas iniciativas”, acrescenta.

No entanto, Fiori aponta o cenário político e econômico em que o Brasil se encontra como sendo o maior desafio para projetos de reflorestamento e sustentabilidade. Isso porque os recursos são definidos e distribuídos de acordo com a mentalidade das pessoas responsáveis por eles.

Sobre o projeto socioambiental da TodaVida, ele comenta: “Hoje, em nossa região a coleta da castanha e o seu aproveitamento é uma atividade que fornece uma renda as pessoas, com números fantásticos. Acredito que essas mudas daqui a um ano serão verdadeiros diamantes para as pessoas que serão beneficiadas.

Fiori revela que sua maior motivação é ver a natureza, que foi plantada no passado, hoje ser uma fonte de renda para as pessoas e finaliza:

Eu me orgulho de ter crescido nesse meio, de ter feito o bem e de ter produzido algo que pode viver centenas de anos. E principalmente, que o que nós produzimos não faz mal a ninguém. Viva a nossa floresta!!!

Foto: À esquerda, Fioravante José Montanher e á direita Oseías Gonçalves de Oliveira.

Ao lado de Fiori, no trabalho diário no viveiro de Juruena, está o nosso segundo Herói da Floresta, o viveirista Oseías Gonçalves de Oliveira.

Foi a partir de um dos programas de capacitação, oferecido pelo viveiro de mudas em que Fiori trabalha, que Oseías iniciou seu trabalho com reflorestamento. O programa, desenvolvido especialmente para menores, motivou o jovem Oseías, na época com apenas 15 anos, a buscar conhecimento nesta área.

Hoje, com 22 anos, Oseías fala da satisfação em fazer o que gosta: “Comecei a trabalhar com a produção de mudas por conta do destino. Me identifico muito com isso e me sinto de bem com a vida.”

Oseías conta sua experiência na produção de mudas de castanha, aplicando a técnica da enxertia: “Eu aprendi a produzir e fazer mudas de citros através de enxertia. Eu usei essa mesma técnica na castanha e deu certo. Fizemos o plantio dessas mudas na propriedade do meu avô”. Ele finaliza revelando sua previsão para o resultado da experiência: “Um pé de castanha demora mais de nove anos para produzir semente. Com a enxertia, acredito que irá produzir semente já depois de cinco anos.

Fiori conclui: “Hoje nós lutamos e defendemos que a floresta em pé é sim uma fonte de riqueza. A nossa castanha do Brasil é testemunha disso.”

Que bom poder trabalhar com estes Heróis da Floresta, que compartilham a visão da TodaVida: criar ciclos de produção e consumo sustentáveis.

Prazer em conhecê-los, Heróis da Floresta!